KRYPTON – VOL.5/6 – 2015 – VIOLENZA

KRYPTON - VOL.5/6-2015 - VIOLENZA
Editore: RomaTrE-Press
Data di pubblicazione: dicembre 2015
Pagine: 289
ISBN: 2282-3301

Abstract

Periodico semestrale del Dipartimento di Lingue, Letterature e Culture Straniere

Contributi

Introduction. Violence and peacemaking in early modern Europe: a comparative perspective

Paolo Broggio
Stuart Carroll

ERRORE IN IMPOSTAZIONE DEL CONTENUTO

Le droit de vengeance et son déclin dans les Pays-Bas (XIVe-XVIe siècles)

Aude Musin

Cet article envisage la manière dont les autorités urbaines et étatiques ont perçu la vengeance de leurs sujets et comment cette perception a évolué entre le 14e et le 16e siècle. Les archives judiciaires conservées pour les Pays-Bas bourguignons et habsbourgeois permettent d’approcher la vengeance comme motivation d’actes violents. Un véritable droit de vengeance existe encore à la fin du Moyen Âge dans certaines principautés. Les cours de justice urbaines sont dépositaires des règles de la vengeance. Mais en même temps, les autorités des villes tentent de lui donner des limites. Des études de cas montrent le rôle précurseur joué par les villes pour encadrer la violence vindicatoire. Dans un second temps, l’État interviendra pour tenter d’éradiquer la vengeance.

Justice in the Contado: Rural Vendetta and Urban Authority in Bologna, 1600

Colin S. Rose

A feud among petty factions in the mountains south of Bologna allows us to see the city’s powerful criminal court, the Tribunale del Torrone, expanding its criminal jurisdiction into the farthest reaches of the Papal State. Following a year of disorder and conflict, the Torrone has called the principal feuders to a peace conference in the city, but it is derailed when a young scion of the Ronchetti faction breaks the truce and murders his rival in the Tozzi clan. The multiple processi dealing with violence between these clans illuminates the complex social hierarchies that govern feuds and apply some limits to their violence. They are also representative of a long campaign by the papal governors to reduce the judicial privileges of the hereditary elite. In the resolution, or lack thereof, of this feud we see the complicated goals of early modern justice.

Vendetta in the Seventeenth-Century Midi

Stuart Carroll

This paper discusses a previously unknown but potentially significant vendetta in the seventeenth-century French Midi. On 15 July 1674, François de Nogaret, vicomte de Trelans, was abducted by forty men from the parish church of La Bastide during mass; his killers subsequently murdered him. Within a month his killer, François de Sénégas, was himself killed in a revenge attack and his corpse burned. The story of the vendetta is important in itself, because the richness of the archival traces it left allows us to reconstruct the events in unparalleled detail. Four significant features emerge. First, the Sénégas were Protestants and the Trelans Catholics and their enmity can be traced back to the beginnings of the Wars of Religion. Second, the immediate cause of their dispute in the mid-seventeenth century was caused by clashes over seigneurial rights and royal taxation, and the evidence suggests that peasants played a major role in the drama. Third, litigation between the parties made the dispute worse and the judicial system failed to stop the violence escalating. Finally, the feud was brought to an end by a peace brokered by the intendant in 1678. This accord represents a rare archival discovery and accordingly I have published it as an appendix to the article. It demonstrates William Beik’s contention that the purview and activities of the intendants changed during the personal reign of Louis XIV, and as a consequence they became more effective agents of social control.

Narrazioni della vendetta e della giustizia: articolazioni di potere, cultura politica e acculturazione religiosa nell’Europa della prima età moderna

Paolo Broggio

Il saggio intende ripercorrere i diversi modi in cui la violenza vendicatoria e il ricorso alla giustizia ufficiale sono stati narrati, e dunque interpretati, non dagli attori sociali bensì dalle istituzioni preposte al contenimento della violenza. Tratto primordiale e strumento di giustizia per qualsiasi società umana, nell’Occidente europeo la vendetta ha subito nel corso dei secoli un processo di progressiva delimitazione che è andato di pari passo con una produzione discorsiva mirante a sospingere il fenomeno vendicatorio nei recinti delle passioni umane, un’interiorità psicologica tutta da addomesticare e controllare. Ma il percorso lineare di una civilizzazione dei costumi ottenuta attraverso l’affermazione del processo penale obbligatorio (concepito proprio come fuoriuscita dalla vendetta), risulta più complesso e tortuoso di quanto finora ipotizzato dalla storiografia.

I tanti volti dell’onore. Conflitti del quotidiano e pratiche di pacificazione nella Toscana del Settecento

Maria Pia Paoli

Nella Toscana del Settecento si registrano numerosi casi di paci fra privati. Il ruolo dei mediatori si incrociò a volte con i procedimenti giudiziari dei tribunali del Granducato, centrali e periferici. In questo articolo si prendono in esame soprattutto due figure di mediatori, Pier Andrea Andreini e Bindo Simone Peruzzi che, in epoche diverse, trattarono composizioni cavalleresche per vari membri della nobiltà del Granducato. L’ampia casistica di luoghi e situazioni che emerge da fonti per lo più inedite porta alla luce l’estensione che il concetto di nobiltà stava assumendo fino ad interessare e coinvolgere nella difesa dell’onore uomini e donne dei ceti più umili.

O fenômeno da violência: algumas abordagens conceituais

João Davi Avelar Pires 

Este trabalho tem por escopo realizar algumas discussões teóricas sobre o fenômeno da violência. A partir de uma abordagem que toma por referência diversas áreas, como a História, Sociologia, Direito, Psicologia e de dicionários específicos, buscamos apresentar como algumas das linhas de investigação de cada uma delas trata do conceito de violência. Dentro do que propomos, abordamos o conceito de violência a partir de suas mais diversas formas e manifestações, sendo como um fenômeno inerente à condição humana, como resultado de uma aprendizagem social ou ainda como um recurso utilizado para certos fins.

Da ‘levatrice della storia’ a variabile della modernità. Prospettive sociologiche sul tema della violenza, da Marx fino all’Olocausto e ai mattatoi

Niccolò Bertuzzi 

Il tema dell’articolo è il rapporto fra modernità e violenza nel pensiero sociologico. Si propone una ricostruzione dei principali contributi, a partire dall’analisi marxista della violenza quale ‘levatrice della storia’ fino a quella baumaniana riguardante l’Olocausto quale paradigma della modernità: ad un estremo, dunque, la violenza come processo fondante la modernità, all’altro la modernità come condizione necessaria per lo sviluppo di una specifica nuova forma di violenza. Fra tali due poli, una serie di riflessioni riassumibili in una dicotomia di fondo: da una parte quanti contrappongono processo di modernizzazione e permanenza della violenza (Elias, Pinker, Touraine); dall’altra coloro che vedono una correlazione fra esse (Foucault, Francofortesi). Nell’ultima parte, infine, viene considerato un particolare tipo di violenza, quello nei confronti degli animali non-umani, sottovalutato in letteratura, e le cui caratteristiche assumono dinamiche tipicamente ‘moderniste’.

«Apocalipsa după Ştefan»: violenţă şi ritual în Moldova lui Ştefan cel Mare

Virgil Pâslariuc 

În acest articol este reluată problema asumării de către domnul moldovean, Ştefan cel Mare, a ipostazei de ‘Ultim Împărat’ din tradiţia apocaliptică bizantină. Ca punct de plecare este luată Cronica de curte în care sunt narate scene de o cruzime inegalabilă (masacre ale populaţiei civile, ale prizonierilor, mutilări etc.), cu elemente de violenţă ritualică care au fost operate în cadrul războiului purtat cu otomanii (1473-1486). Analizând izvoarele, autorul ajunge la concluzia că aceste fapte au fost nu doar inspirate de textele veterotestamentare (Deuteronom) şi tradiţia apocaliptică (Apocalipsa lui Pseudo-Methodie din Patara şi Viziunile lui Pseudo-Daniel), dar şi urmate pas cu pas într-un mod programatic. Astfel, violenţa demonstrativă la adresa inamicilor şi ‘renegaţilor’ Creştinătăţii, ca o caracteristică a ‘războiului final’, trebuie privită ca parte a unui amplu cod cultural, în care se anunţa demararea scenariului apocaliptic şi Sfârşitul Lumii.

Violences sur les immigrés italiens dans l’espace lorrain (1870-1914)

Pierre-Louis Buzzi

La France connaît de nombreuses crises de xénophobie, notamment à partir de la IIIe République. Les affrontements physiques entre ouvriers français et ouvriers italiens sont particulièrement nombreux dans une région comme la Lorraine qui compte environ 60.000 immigrés transalpins à la veille de la Première Guerre mondiale. Les archives nous présentent un éventail de rixes et d’affrontements, divers par leurs formes, leurs acteurs, leurs origines, leurs armes, mais qui comportent de nombreuses similitudes et s’inscrivent dans une même dynamique, car, loin de constituer de simples crises, ces formes de violence s’enracinent dans des comportements anciens.

Entre a gramática e a Lei. Poder, linguagem e resistência na literatura de Graciliano Ramos

João Paulo Ayub 

Este artigo tem como objetivo principal apontar alguns caminhos percorridos pelo escritor Graciliano Ramos no registro de uma linguagem entremeada em narrativas da violência. O modo como o autor configura o gesto da resistência via palavra entre a «gramática e a Lei» será discutido em dois momentos distintos de sua obra: nas Memórias do Cárcere, autobiografia dos anos de prisão, e no romance São Bernardo, através do desafio encarnado pelo personagem Paulo Honório diante da escritura de um ‘idioma pessoal’.

A violência política sobre o Partido Comunista Português em clandestinidade no contexto da Guerra Civil Espanhola

Márcio José Monteiro Matos 

Neste breve artigo de estudo pretender-se-á demonstrar de que forma a Guerra Civil Espanhola (1936-1939) levou a uma escalada da violência em Portugal por parte do regime, sobre um dos seus principais alvos, o PCP (Partido Comunista Português). Num período em que o fascismo já tinha trilhado o seu caminho de ascensão ao poder com um primeiro período de Ditadura Militar (1926-1933) e depois legitimado com a Constituição de 1933 no que viria a dar no Estado Novo (1933-1974). O PCP vinha de um período de adaptação à clandestinidade, após a forte repressão sofrida no contexto do ‘Reviralho’ que penosamente se associou e se desfalcou. O período em que nos debruçamos leva-nos para uma época em que a URSS via Internacional Comunista aponta a expansão do comunismo na Europa Ocidental pela via legalista, ou seja, a conquista do poder pelo voto através de amplas coligações de esquerda.

La violenza diffusa nella Trieste del Territorio Libero e la sua rappresentazione nellʼinformazione jugoslava

Francesco Maria Mengo

Tra la fine della Seconda guerra mondiale e il Memorandum di Londra, la città di Trieste è stata oggetto di una contesa confinaria, che ha comportato una situazione di violenza diffusa, estrinsecatasi nel confronto tra due parti che miravano all’assegnazione della sovranità della città a due diverse entità statali contendenti cui facevano politicamente e culturalmente riferimento e nello scontro di tali due parti con le forze di pubblica sicurezza alleate.
In questo articolo ci focalizzeremo sulla rappresentazione data dall’informazione jugoslava di tale violenza diffusa e sulle sue letture delle ragioni delle forze in campo, basate su categorie interpretative radicate e rispondenti a immediate necessità politiche jugoslave. Le fonti primarie oggetto della nostra analisi saranno quotidiani jugoslavi come Politika, Borba, La Voce del Popolo e le due edizioni novosadska e suboticana di Slobodna Vojvodina.

A fabricação de uma forma pervertida de humano: Primo Levi e os rumores da memória

Lucas Amaral de Oliveira

O químico e escritor Primo Levi construiu um dos testemunhos mais contundentes da segunda metade do século XX. Este texto tenta converter questões que aparecem em suas autobiografias mais impactantes sobre o campo de extermínio em problemas de caráter sociológico. Gostaria de interpretar seu testemunho como fonte documental, em que seja possível apreender aspectos informativos de denúncia da violência que assinou com sangue nossa era. Tentarei verificar os limites na construção do testemunho e as possibilidades encontradas pelo escritor na representação e reflexão sobre a experiência vivida; afinal, pensar a obra de Levi a partir de um conjunto de elementos que encontra na noção de memória seu eixo decisivo faz de seu testemunho não apenas um objeto de análise histórica, mas, ainda, fonte privilegiada para refletir sobre um desafio político: o imperativo sempre urgente de «não repetir o passado».

Da violência contra si: a autodestruição por meio do suicídio no meio rural no Rio Grande do Sul/Brasil

Jussara Maria Rosa Mendes
Rosangela Werlang

Este texto trata da questão do suicídio no Rio Grande do Sul/Brasil, considerando o contexto do avanço do capitalismo no campo. Este avanço tem propiciado novos modos e estilos de vida que, por seu turno, tem favorecido a algumas sociopatologias, dentre estas, a autodestruição por meio do suicídio. Das violências a que estamos expostos todos os dias, a violência contra si é uma das mais graves, vez que denuncia a sociedade deletéria em que se vive, assim como seus pontos de desagregação. Neste sentido, aponta a investida do capital para que se consolide o fim da pequena agricultura tradicional, seja por meio da articulação com a indústria e seus métodos perversos de gestão, seja por meio da pluriatividade, expressão contemporânea da flexibilização e, ademais, da precarização do trabalho no meio rural.

A violência de gênero na literatura brasileira: marcas da ficção de Marina Colasanti e Nélida Piñon

Carlos Magno Santos Gomes  Gardênia Dias Santos  Maria Juliana de Jesus Santos 


O presente artigo faz um paralelo entre a violência de gênero na sociedade brasileira e nas representações ficcionais com ênfase na análise do conto «A moça tecelã» (1978), de Marina Colasanti, e do romance Vozes do deserto (2004), de Nélida Piñon, a fim de questionar as diversas formas de opressão infligidas às mulheres, oriundas da cultura patriarcal, como o cárcere privado e a violência sexual. Para tanto, exploramos as categorias teóricas: ‘dominação masculina’, do francês Pierre Bourdieu; e ‘feminicídio’, assassinato de mulheres, a partir das perspectivas sociológicas e antropológicas de Rita Laura Segato e Wânia Pasinato.

Commemorating Violence as Therapy for Trauma in the Post-Civil War Anglophone Lebanese Novel

Pamela Layoun

In the period extending from 1975 to 1990, Lebanon entered a very dark phase in its history, as it became the battlefield of clashing communities and factions. The end of the war invited a willing erasure of fifteen years of violence from the national consciousness of Lebanese people leaving them burdened with the heavy weight of trauma. As the government deliberately refuses to keep the memory of the War alive, the novels written in the postwar period by contemporary immigrant Anglophone Lebanese writers seek to pull the bloody events out of amnesia and offer the Lebanese people the possibility to deal with their trauma publicly by coming face to face with the violence they had to endure.

Teatro de Conflitos: violência e distopia urbana na obra de Marcelino Freire

Mauricio Silva

O presente artigo analisa a produção literária de um dos mais importantes autores da literatura brasileira contemporânea (Marcelino Freire), destacando alguns aspectos da atual produção literária brasileira. O artigo destaca ainda a representação da cidade urbana na obra de Marcelino Freire, a partir da noção de conflito, com destaque para a questão da violência urbana.

El canto de las agonías: representaciones de la violencia simbólica en Canción de tumba de Julián Herbert

Edgardo Íñiguez 

En Canción de tumba, de Julián Herbert, hay una imposición de una fuerza velada sobre los personajes. Esta última opera en las estructuras simbólicas que permiten al protagonista participar en los mundos social y cultural. El objetivo del presente trabajo es mostrar cómo la violencia simbólica se encuentra en la base de la conformación del sujeto, de manera específica en lo relacionado con la familia, la figura madre y la masculinidad. Estos elementos ponen de relieve, a través de elementos lingüísticos, la fragmentación del ‘yo’ y el velo de pesadumbre que caracterizan a la voz narrativa.

A violência como negócio a partir do conto «Matadores» de Marçal Aquino

Fábio Marques Mendes 

Propomos uma análise literária e social do conto «Matadores» (1991), de autoria de Marçal Aquino. Nosso objetivo é considerar o uso da ironia (no plano formal da narrativa) como estratégia para articular e intensificar a violência (plano temático), nos termos da racionalização burocrática do novo capitalismo. Essa tensão dialética implicaria no tratamento da violência como um negócio, conduzida racionalmente pelos heróis da narrativa e realizada no espaço da fronteira. Isto acontece a fim de corroer e reforçar os discursos e os mecanismos de controle sociais e literários hegemônicos, mantidos e organizados por estruturas de dominação em crise na sociedade brasileira, no período de transição entre o fim do regime militar à redemocratização.

(Re)writing pain. The theme of violence in contemporary Afro-Brazilian women novelists

Cristina Stevens

Articulating feminism with issues of race, this paper aims at presenting some Afro-Brazilian novels written by women, which expose the theme of violence – both physical, and the more complex, diversified manifestations of symbolic violence against Afro-Brazilians. In the relative absence of historical records, this fictional material can also be seen as (re)creations of their lives, the extreme cruelties they suffered not only under slavery, but also in contemporary society, and the ways they devise to overcome and transcend these experiences. Emphasis on the novels Becos da Memória (Memory Lane) by Conceição Evaristo e Um Defeito de Cor (A Colour Defect), by Ana Maria Gonçalves.

Jovens namorados e a violência de gênero: uma relação desigual

Marlene Almeida de Ataíde 

O presente artigo resulta de uma pesquisa qualitativa, ancorada pela metodologia da história oral, enquanto suporte investigativo. Teve como objetivo conhecer a partir das narrativas de duas jovens universitárias o fenômeno da violência nas relações de namoro. Nesta perspectiva desvelar os argumentos que defendem para submeter-se à uma relação de violência pressupõe apreender os significados que atribuem ao(s) tipo(s) da(s) violência(s) sofrida(s). Assim, esta pesquisa buscou investigar a violência de gênero, ou seja, as ações ou condutas, baseadas no gênero, que podem causar a morte, além do dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, pois, tais eventos dessa natureza podem ocorrer tanto no espaço público como no privado. A violência de gênero expressa as relações de poder historicamente desiguais entre homens e mulheres.

Ethique et criminalisation du VIH: échographie d’une violence contre-indiquée

Adayé Ahouma 

Mettre en évidence le caractère violent des lois relatives au VIH, telle est l’orientation substantielle de cette investigation. En effet, tout se passe comme si les données et appréhensions qui avaient cours dès la découverte de cette maladie n’avaient subi de changement notoire. Le séropositif est traité au plan légal comme un être dont la dangerosité nécessite relatif isolement ou silencieuse réclusion. Et cela contre les recommandations les plus sérieuses. Il n’est pas question qu’il affecte le reste du corps social. Or des progrès sont faits au plan de la recherche qui devraient apaiser et neutraliser les craintes initiales. Cette persistance de l’agressivité légale ne peut en rien réduire le VIH, au contraire, elle crée les conditions de son amplification. Ce travail explicite les facettes et incohérences de cette posture qui assurément transpire la peur primitive relative à cette pandémie, et dont les conséquences compliquent l’existence des séropositifs.

Uma leitura de cicatrizes: os escritos contemporâneos do cárcere no Brasil e na Itália

Luciana Paiva Coronel

Pretende-se apresentar as diferentes formas de representação da violência presentes em escritos do cárcere do Brasil e da Itália, apontando o fato de que nos primeiros esta irrompe de modo absoluto, confirmando a persistência de uma tradição de arbítrio e impunidade que diz respeito ao modo de tratamento dos setores subalternos da sociedade, enquanto que no segundo caso, pode-se comparativamente identificar a presença de uma forma mais psicológica de sofrimento, ligado à dor da solidão e do vazio existencial decorrentes do encarceramento. Nos textos brasileiros predomina a forma do testemunho da barbárie, no qual a voz do detento representa majoritariamente toda a coletividade dos apenados. Na cena italiana, as vozes configuram um acerto de contas de teor mais individual, típico da autobiografia, sendo estes os conceitos básicos que orientam a análise. Em ambos os casos, a palavra constitui um caminho de libertação simbólica diante da opressão sofrida.

Violência injustificável sob a democracia constitucional: uma crítica ao constitucionalismo moderno a partir da análise do sistema penitenciário brasileiro

Ana Carolina Paranhos de Campos Ribeiro

O presente artigo problematiza a sacralização das categorias essenciais do Constitucionalismo moderno, do qual derivou o sistema de democracia constitucional. Tentou-se elaborar uma crítica, a fim de se incentivar a busca de novos modos de pensar os paradoxos causados pela adoção cega e inflacionária das categorias da democracia constitucional. Em seguida, pretendeu-se revelar as dimensões da violência injustificada simbólica e física exercidas pelos Estados justificadas por esse arcabouço no âmbito internacional e no âmbito doméstico. Particularmente, elegeu-se como objeto de estudos o caso do Estado brasileiro em sua dimensão legislativa e punitiva, a fim de revelar as dimensões da violência injustificada que, aliás, levaram o Supremo Tribunal Federal a julgar o processo de ADPF 347 (set. 2015) acerca do «estado de coisas inconstitucional» no sistema penitenciário.

Violence, vraisemblance et bienséance: corps souffrants, corps effarants dans le théâtre et la danse contemporains

Donia Mounsef

La violence portée aux corps scéniques a toujours fait partie du spectacle vivant: assassinats, tortures, châtiments corporels, exécutions, supplices de toute sorte occupent les scènes contemporaines. Certains dramaturges, chorégraphes et performers francophones contemporains optent pour une violence graphique, d’autres suggèrent au lieu de montrer selon les règles de la bienséance. Le site de ces interrogations est toujours le corps et son statut ambigu dans la représentation qui se rattache à la distinction phénoménologique entre le corps sujet et objet, corps intelligible et corps sensible.
Cet article s’interroge sur le fonctionnement de la violence scénique contre le corps, en particulier la manière dont la scène transforme la corporéité en corps concentrationnaire dans le théâtre d’Armand Gatti, en corps déterritorialisé dans le théâtre de Wajdi Mouawad, et en corps fragmentaire dans les spectacles de danse et multimédia de Rachid Ouramdane.

Tangibilidad, serialidad y diáspora en el terror del ISIS

Roberto López 

Reflexión sobre diversos aspectos semiológicos, discursivos y estéticos del terror ejercido por el grupo terrorista e insurgente autodenominado ‘Estado Islámico’ (IS o Daesh). En primer lugar, el artículo se ocupa de la reinvención mediática con la que esta organización incide en los contextos y las acciones comunicativas, poniéndola en relación con las referencias proporcionadas por Al Qaeda, con breves digresiones a otros terrorismos. En segundo lugar, el proselitismo y la propaganda que sus voluntarios practican en las redes sociales cibernéticas se equipara a las dinámicas y paradojas de la hiperconectividad global, concluyendo que este movimiento milenarista de retórica universalista no renuncia a reafirmaciones paralelas, particulares y locales de su identidad, especialmente en lo referido a su agenda de tangibilidad territorial.

A violência da linguagem: política do medo e falência da crítica

Maria Eduarda Gonçalves Peixoto 

Este artigo propõe uma leitura possível da violência a partir de uma crítica radical da linguagem. Para além da compreensão da violência ‘na’ linguagem, em referência a formas de ação violenta que os usos linguísticos podem assumir, há a violência ‘da’ linguagem, que sublinha a violência como constitutiva do ato mesmo de significação. Com base nisso, inicialmente, vinculam-se violência e processos discursivos de significação à luz da crítica radical de S. Zizek (2014) e E. Laclau (1985). A seguir, mostra-se como tal relação é articulada na mediação do escândalo político Novos aloprados (2010), através da análise dos recursos metafóricos empregados pelas esferas enunciativas de mídia, segundo a tipologia de Lakoff e M. Johnson (2002). Finalmente, argumentamos a favor de que a linguagem é, irremediavelmente, uma performance ideológica violenta.

Nella stessa collana